home / notícias / Caixa fará venda de balcão de seguros em etapas

Caixa fará venda de balcão de seguros em etapas

O novo modelo deve atrair um maior número de interessados. Expectativa é superar - e muito - os cerca de 20 players do processo anterior

O Estado de S. Paulo - 12 de Maio de 2019

O Estadão revela que depois de um ano e sete meses de espera, a Caixa Seguridade reabriu a disputa pelo seu balcão, que será feita em etapas, que antecedem sua bilionária abertura de capital, programada para o segundo semestre deste ano. Estão previstos dois grandes movimentos.

Um primeiro, que contempla a busca de parceiros para os ramos de seguro de automóvel, consórcio, seguro habitacional e residencial e capitalização, foi anunciado na última sexta-feira, dia 10.

O segundo abrangerá parcerias nas áreas de grandes riscos, saúde e odontologia. Essa fase deve ser anunciada perto do fim do prazo máximo dado aos interessados pela primeira etapa se manifestarem - até o dia 27 de maio - por meio do acordo em que as partes se comprometem a manter as informações sob sigilo.

Ao ser redesenhado pela gestão atual, o novo processo de leilão do balcão de seguros da Caixa deve atrair um maior número de interessados. A expectativa é ultrapassar - e muito - os cerca de 20 players atraídos no processo anterior. Contribui, sobretudo, o fato de a nova disputa mirar não apenas seguradoras bem como resseguradoras e outras empresas com expertise em consórcio e capitalização.

A assessoria financeira da venda do balcão da Caixa Seguridade também mudou. Com o fim do contrato com os players até então contratados - Banco do Brasil e Credit Suisse, o processo passou a ser capitaneado pela área de banco de investimento da própria Caixa Econômica Federal. Mas não deve parar por aí. A Caixa deve selecionar mais um ou dois assessores para ajudá-los na operação.

A seleção dos bancos de investimento para a operação também promete ser acirrada. Isso porque participar da fase de leilão pode servir de trampolim para integrar o sindicato que vai tocar a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Caixa Seguridade, com potencial de movimentar alguns bilhões. Na tentativa anterior, o valor almejado era de R$ 10 bilhões. Procurada, a Caixa Seguridade não comentou.