Inovações tecnológicas ajudarão negócios de seguros de vida e previdência privada


Revista Cobertura - 08/10/2018

A Universidade Corporativa da Mongeral Aegon promoveu o primeiro congresso Potencialize, para corretores de seguros de vida e previdência privada de todo o país, dia 2, no Rio de Janeiro. Helder Molina, presidente da Mongeral Aegon, destacou a influência de tecnologias como internet das coisas, inteligência artificial e outras ferramentas na rotina das pessoas.

Conforme Molina, na indústria de seguros, o reflexo também será cada vez maior. “Já é uma realidade hoje colocar informações dentro de computadores com inteligência e eles serem capazes de fazer diagnósticos de doenças muito mais rápido”.

Custos para sequenciar o DNA tendem a ficar mais baratos e acessíveis, o que irá colaborar para identificar, por exemplo, a propensão de doenças cardíacas e câncer previamente. Diante das mudanças apontadas, o presidente da Mongeral Aegon indagou se o mercado de seguros está preparado para isso. “Estamos preocupados em estudar o futuro para direcionar a companhia para o que está por vir”, comenta.

De acordo com ele, uma iniciativa da Aegon nesse sentido é um grupo de estudos do uso de blockchain para a área de seguros. A companhia também está desenvolvendo Hackatons (grupos que estudam soluções para a implementação de mudanças de maneira rápida) em diversos países. No Brasil, a Mongeral Aegon conta com 36 pessoas, que estão dedicadas a estudar estratégias digitais e o cenário de inovação.

Helder Molina também destaca o pioneirismo da seguradora em venda digital, por meio da ferramenta exclusiva da empresa, que auxilia os corretores de seguros de vida e previdência em seus negócios.

Recentemente, a Mongeral Aegon lançou também um programa de insurtech, além da criação de uma startup, a WinSocial. “Essa ferramenta está proporcionando descobrirmos muitas coisas. E uma das maiores ajudas será na área de análise de riscos”, adianta.