Itaú e Bradesco apostam em estratégias diferentes em digitalização de serviços


Valor Econômico - 13/06/2018

O Valor Econômico informa que os dois maiores bancos privados brasileiros escolheram caminhos opostos para lidar com o processo de digitalização dos serviços financeiros. Enquanto o Itaú Unibanco aposta na 'transformação permanente' da estrutura já existente, o Bradesco tenta atrair os clientes das novas gerações com uma plataforma com marca e estrutura próprias.

No Itaú, 69% do resultado em 2017 foi gerado em canais ou agências digitais, segundo o presidente do banco, Candido Bracher. Essa fatia foi de 32% em 2015 e de 66% no ano seguinte. Nesse processo, o maior banco privado brasileiro decidiu não fazer uma cisão entre o banco antigo e o banco novo, digital.

'Criar essa cisão é a negação da capacidade de transformar', afirmou Bracher, durante palestra no Ciab, evento de tecnologia bancária promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). 'Você cria o novo, mas daqui a uns anos esse novo vai estar ultrapassado', acrescentou. Bracher destacou que é necessário ver a transformação como uma jornada permanente, e não como um fim em si.

O caminho é diferente do trilhado pelo Bradesco, que apostou na criação de um banco digital à parte, voltado a clientes da chamada geração 'millennial'. Sete meses após o lançamento oficial, o Next atingiu 150 mil clientes, e a expectativa é alcançar pelo menos 500 mil contas até o fim do ano, segundo Mauricio Minas, vice-presidente do Bradesco.

O trabalho para alcançar novos clientes pelo Next acontece em paralelo com o processo de digitalização dentro do próprio Bradesco, segundo Minas. 'Como essas coisas vão se cruzar lá na frente ninguém sabe ainda', disse a jornalistas.