Setor cresce 3% de janeiro a abril, para R$ 79,7 bilhões

Os números do primeiro quadrimestre sinalizam recuperação do setor
Sonho Seguro - 11/06/2018

Denise Bueno relata no portal Sonho Seguro que a Carta do Seguro, que traz os números do primeiro quadrimestre de 2018, sinalizam a recuperação do setor mesmo diante da onda de rebaixamento do crescimento do PIB por diversos agentes do mercado financeiro. A arrecadação total do setor até abril foi de R$ 79,7 bilhões, 3% acima dos R$ 77,2 bilhões do mesmo período do ano anterior. Marcio Coriolano, presidente da CNseg, destaca no editorial do estudo o crescimento de automóveis e ramos patrimoniais acima de dois dígitos, a reação do VGBL e o seguro rural retomando o crescimento.

No agrupamento de ramos elementares, é o caso de automóveis (10,6%), seguros patrimoniais (10,2%) e rural (9,1%). “Desconsideradas sazonalidades, o resultado vem em linha com o histórico do mercado nos últimos 12 meses e com o pequeno, mas relevante, fôlego que a queda de preços e estabilidade de tarifas públicas tiveram sobre a renda das famílias e a atividade econômica agrícola”, explica Coriolano.

No agrupamento de coberturas de pessoas, acrescenta, os planos de risco individuais mantiveram o bom desempenho, servindo para que o quadrimestre fechasse com expansão próxima a 12%. “Para tanto, o produto Prestamista continua tendo a maior contribuição (crescimento de 21,5% nos primeiros quatro meses do ano), na esteira da expansão do crédito”, escreve Coriolano.

Já no segmento de planos de acumulação, o VGBL reage na série mensal emplacando o segundo mês consecutivo de crescimento em relação a 2017, o que serve para amortecer a queda de taxas de crescimento como efeito de um desempenho positivo no ano passado. “Ainda assim, continuamos em território negativo, com recuo de 1,7% em relação aos primeiros quatro meses do ano anterior”, acrescentou.

Os planos de capitalização demonstram reagir à conjuntura, especialmente após período de expectativa de mudanças regulatórias. A comparação de iguais quadrimestres de 2007 e 2018 resulta em expansão de 8,1%, informa a Carta do Seguro.