Insurtech Brasil 2018 discute futuro do setor


Apólice - 10/04/2018

Cobertura da Revista Apólice relata que o Insurtech Brasil 2018 contou com a participação de startups e seguradoras de todo o Brasil. A segunda edição do evento foi realizada no dia 5 de abril, em São Paulo. Foram mais de 20 painéis ao longo do dia com palestras e bate-papos que discutiram o crescimento das novas empresas e a renovação das companhias tradicionais.

Abrindo o evento, Pedro Waengertner, cofundador da Ace Startups, falou sobre “A Era da Disrrupção 2018, tecnologia e inovação… Me conte algo que eu ainda não sei”. Waengertner ressaltou que, entre outras coisas, uma empresa não deve contaminar seus empregados com novas ideias, mas, sim, o contrário. Segundo ele, a inovação deve vir de baixo para cima.

Já no painel “Os Desafios Regulatórios para as insurtechs – Equilibrando Inovação e Regulamentação”, que teve participação de Natalie Hurtado, técnica da Susep, e Bruno Balduccini, partner da Pinheiro Neto Advogados, discutiu-se a burocracia e os novos modelos que podem acelerar os processos de regulação em diversos projetos.

 

Philippe Jouvelot, CEO da Axa, e Murilo Riedel, CEO da HDI Seguros, também marcaram presença. Em uma das conversas mais aguardadas do evento, os executivos destacaram o papel de suas empresas em parcerias com startups, falando sobre o que planejam para o futuro. “No Brasil, o seguro não é comprado, é vendido. O papel do corretor de seguros ainda é fundamental”, disse Jouvelot quando perguntado sobre a exposição de produtos em plataformas online. Já Riedel falou sobre o aporte que a sua empresa reservou para a virtualização dos processos. “Reservamos R$ 50 milhões para essa modalidade em 2017. Esse processo de digitalização chegou até nós em decorrência da demanda de mercado”, declarou.