TST permite mudança no plano de saúde dos Correios


O Globo - 13/03/2018

O Globo registra que O Tribunal Superior do Trabalho (TST) autorizou ontem os Correios a fazerem mudanças no plano de saúde de seus funcionários, que passarão a pagar mensalidade proporcional ao salário e ao número de dependentes para manter o benefício. Além disso, pais dos empregados serão excluídos do plano em julho de 2019.

O julgamento foi criticado por representantes dos trabalhadores da estatal, que convocaram uma greve ontem para protestar contra as mudanças no plano. Atualmente, não há pagamento de mensalidade, e a coparticipação do beneficiário é de 7% do valor das consultas, situação que os Correios consideram insustentável para suas contas.

Quem ganha R$ 2.500, pagará 2,5% do plano de saúde, ou R$ 62,50 por mês. Os filhos e cônjuges desse funcionário também pagarão percentuais sobre essa mensalidade de R$ 62,50, de 35% e 60%, respectivamente. Quanto maior o salário, maior o percentual a pagar do plano.

“O salário médio dos carteiros é de R$ 1.600. Ficamos decepcionados porque não entendemos como o Tribunal alterou as cláusulas já negociadas entre a empresa e os trabalhadores em acordo coletivo”, disse o presidente da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (FINDECT), José Gandara.