Seguradora francesa defende investimentos em infraestrutura no Brasil

De olho no programa de privatizações lançado pelo Presidente Michel Temer, a seguradora de créditos francesa considera crucial atrair investimento privado à região
Revista Cobertura - 12/09/2017

As deficiências de infraestrutura na América Latina estão em destaque no caderno de Economia do jornal Le Figaro.

Em sua edição desta segunda-feira (11), o jornal francês Le Figaro, um dos maiores do país, publica os resultados de um estudo da Coface, a Companhia Francesa de Seguros para o Comércio Exterior, presente no Brasil desde 1998. O relatório, elaborado pela consultora Patricia Krause, aborda as deficiências de infraestrutura na América Latina, a começar pelo Brasil, a mais importante economia da região.

Atualmente integrante do grupo Natixis, um banco de investimentos com sede em Paris, a Coface diz que “está na hora de acabar com o problema da falta de infraestrutura que compromete o desenvolvimento da região”.

“Dirigir nas estradas brasileiras é perigoso e um desafio para os motoristas. O asfalto é rugoso, o pavimento esburacado e sem sinalização de segurança. Um exemplo de fraqueza estrutural nocivo para a competitividade do país”, destaca um trecho do relatório reproduzido pelo Le Figaro, lembrando que o Brasil não é um caso isolado. Antes de citar os vizinhos, o texto observa que a qualidade dos portos e dos serviços portuários também é muito ruim no Brasil, da mesma forma que na Argentina, na Colômbia e no Peru. As raras exceções de países com infraestrutura um pouco mais decente são o Chile e o México, em menor escala, avalia o estudo da Coface.

Brasil: 114° país em um ranking de 138 na área de transportes

Em infraestrutura em transportes, o Brasil está classificado na posição 114, na lista de 138 países pesquisados. Segundo Krause, “transportar uma mercadoria no interior do Brasil custa às vezes mais caro do que enviá-la ao exterior”. Em seu diagnóstico, e na defesa de soluções para esse problema crônico, a consultora afirma que seria necessário investir muito mais do que os 3% de PIB que os países da região destinam atualmente.

De olho no programa de privatizações lançado pelo Presidente Michel Temer, a seguradora de créditos francesa considera crucial atrair investimento privado à região. Mesmo com o fim da recessão no Brasil, o crescimento do PIB limitado a 1,2% no próximo ano não será suficiente para aumentar a capacidade de investimento necessária. A solução passa cada vez mais pelas parcerias público-privadas, facilitadas pela adaptação das legislações no Chile, na Colômbia e no Brasil. O texto observa, no entanto, que ainda é preciso dar mais transparência às concorrências, diminuir a burocracia e principalmente combater a corrupção endêmica.

O estudo também propõe em suas conclusões desenvolver o mercado de obrigações do Tesouro, utilizar recursos dos fundos de investimento para a área de infraestrutura e dos fundos soberanos dos Estados.