Economia do Seguro

Francisco Galiza

Francisco Galiza

Mestre em Economia (FGV); membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência); autor do livro “Economia e Seguro – Uma Introdução” (3ª edição); coordenador da Revisão do Dicionário da Funenseg, em 2011; professor do MBA-Seguro e Resseguro (FUNENSEG); sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br).

Comentário Econômico nº 544

Comentários Econômicos - 08/05/2018

Prezados Senhores,

Particularmente, a consultoria McKinsey tem escrito bastante sobre o futuro da indústria automobilística.

Por exemplo, podemos citar o texto “The automotive revolution is speeding up” (“A revolução automotiva está acelerando”).

Ver...

https://www.mckinsey.com/industries/automotive-and-assembly/our-insights/the-automotive-revolution-is-speeding-up

Na tabela abaixo, quatro tendências mencionadas.

Tendências

Comentários

Veículo sem motorista

Em 2016, cerca de 1% dos veículos vendidos estavam equipados com tecnologia básica para condução autônoma parcial. Hoje, 8 das 10 principais indústrias automobolísticas já anunciaram planos para uma tecnologia autônoma até 2025.

Mobilidade compartilhada

Até 2017, aproximadamente US$ 30 bilhões foram investidos apenas em “start-ups” de carona. Mas há um forte potencial de crescimento: menos de 1% das milhas transportadas hoje são realizadas usando serviços de mobilidade compartilhada. Para os próximos anos, a taxa de crescimento é elevada.

Conectividade

Atualmente, apenas 12% dos carros são equipados com soluções de conectividade incorporadas, mas a porcentagem de consumidores prontos e dispostos a mudar de marca de carros para uma melhor conectividade dobrou nos últimos dois anos. No segmento premium, a maioria dos indústrias já instalou sistemas de conexão em todos seus novos veículos.

Carros elétricos

Menos de 5% dos veículos vendidos em 2016 foram equipados com a possibilidade de serem elétricos. Daqui a 5 a 10 anos, as principais indústrias já querem que mais do que 50% dos seus modelos já tenham essa possibilidade tecnológica.

Ver outros artigos de Comentários Econômicos