Economia do Seguro

Francisco Galiza

Francisco Galiza

Mestre em Economia (FGV); membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência); autor do livro “Economia e Seguro – Uma Introdução” (3ª edição); coordenador da Revisão do Dicionário da Funenseg, em 2011; professor do MBA-Seguro e Resseguro (FUNENSEG); sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br).

Efeitos da crise no mercado segurador brasileiro

Comentários Econômicos - 05/07/2016

  

Para conhecimento e para pensar...

 

Anualmente, a resseguradora Swiss Re divulga o seu tradicional estudo comparando os mercados de seguros em todo mundo.

 

No mês passado, saiu o texto com os dados de 2015. Ver...

 

http://media.swissre.com/documents/sigma_3_2016_en.pdf

 

A partir desses números, é interessante ver a evolução do Brasil nos últimos 10 anos. Por exemplo, a receita dos seguros do tipo não vida (uma agregação dos ramos de automóvel, residencial, transportes, etc), em termos de participação nesse mercado.

 

Em 2015, o país ocupava a 12ª colocação do ranking entre os países, com 1,6% do total do faturamento mundial. Na análise, quando você observa os dados, temos uma notícia boa e outra ruim, como diz o ditado.

 

A boa é que estamos melhores do que há 10 anos. A ruim é que, devido aos fatos ocorridos nos últimos dois anos (recessão, desvalorização cambial, etc), o país, na prática, recuou uns 5 anos, voltando ao nível de receita de 2009 e 2010.

 

Bem, está na hora da recuperação!

 

Ver outros artigos de Comentários Econômicos