Economia do Seguro

Francisco Galiza

Francisco Galiza

Mestre em Economia (FGV); membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência); autor do livro “Economia e Seguro – Uma Introdução” (3ª edição); coordenador da Revisão do Dicionário da Funenseg, em 2011; professor do MBA-Seguro e Resseguro (FUNENSEG); sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br).

Quatro grandes tendências mundiais

Comentários Econômicos - 29/04/2015

A empresa de consultoria McKinsey acaba de divulgar o estudo The four global forces breaking all the trends.

Ver...

http://www.mckinsey.com/insights/strategy/The_four_global_forces_breaking_all_the_trends?cid=other-eml-alt-mgi-mck-oth-1504

O estudo fala das quatro principais tendências mundiais da economia, que são:

1) Maior urbanização, com crescimento da China. Segundo o estudo, em 2000, 95% das maiores empresas mundiais tinham como sede os países desenvolvidos. Em 2025, quase metade terão como sede os países emergentes (incluindo a China).

2) Aumento do impacto da tecnologia na vida das pessoas e da sociedade, em uma velocidade cada vez maior. Segundo o texto, levou mais de 50 anos após a invenção do telefone para que metade dos lares norte-americanos tivesse um. Demorou 38 anos para o rádio atrair 50 milhões de ouvintes. O facebook atraiu 6 milhões de usuários em seu primeiro ano, e esse número multiplicou por 100 vezes em cinco anos.

3) Envelhecimento da população. Em 2013, 60% da população viviam em países em que a taxa de crescimento da população era negativa. Por exemplo, na Tailândia, a taxa de fertilidade, de 1970 para os dias de hoje, passou de 5 crianças/mulher para 1,4 crianças/mulher.

4) O mundo está ficando pequeno. Entre 1980 e 2007, o fluxo de capitais financeiros aumentou 25 vezes. Mais de um bilhão de pessoas cruzou as fronteiras de outro país em 2009, cinco vezes o número de 1980.

A pergunta que fica é: Como o mercado de seguros enfrentará essa realidade nos próximos anos?

Abaixo, figura mostrando a velocidade das mudanças tecnológicas.

Ver outros artigos de Comentários Econômicos