Economia do Seguro

Francisco Galiza

Francisco Galiza

Mestre em Economia (FGV); membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência); autor do livro “Economia e Seguro – Uma Introdução” (3ª edição); coordenador da Revisão do Dicionário da Funenseg, em 2011; professor do MBA-Seguro e Resseguro (FUNENSEG); sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br).

Diferença entre bancos e seguradoras

Comentários Econômicos - 27/11/2014

Esse assunto ganhou mais importância com a crise econômica de 2008; isto é, sobre quais regras de solvência cada instituição financeira deve seguir.

Por um lado, os reguladores querendo extrapolar muitas das regras aplicadas aos bancos para as seguradoras. Por outro, essas últimas dizendo que isso não é justo, que as condições são bens diferentes, que os riscos são distintos, etc. Nessa linha, para analisar esse problema, diversos estudos foram desenvolvidos. Abaixo, mais um exemplo, o texto "Why insurers differ from banks", divulgado no mês passado pela Insurance Europe (entidade que representa todas as seguradoras européias).

Ver...

http://www.insuranceeurope.eu/uploads/Modules/Publications/why_insurers_differ_from_banks.pdf

Um ponto sempre abordado é a praticamente ausência de risco sistêmico nas operações das seguradoras (quando comparadas a bancos). Ou seja, os problemas não são facilmente transmitidos de uma seguradora para outra. Na prática, essas empresas operam de forma bem mais independente uma das outras, e de maneira muito menos interligada.

E, além disso, mesmo havendo problemas, esses ocorreriam em uma velocidade bem menor do que nos bancos, aumentando a probabilidade de correções. Ou seja, em uma crise, não haveria o fenômeno do tipo "corridas às seguradoras", como já houve muitas vezes na história a "corrida aos bancos".

O parágrafo abaixo, extraído do texto, resume bem esse conceito.

Ver outros artigos de Comentários Econômicos