Economia do Seguro

Francisco Galiza

Francisco Galiza

Mestre em Economia (FGV); membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência); autor do livro “Economia e Seguro – Uma Introdução” (3ª edição); coordenador da Revisão do Dicionário da Funenseg, em 2011; professor do MBA-Seguro e Resseguro (FUNENSEG); sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br).

Em 2014, mercado de seguros enfrenta uma nova realidade

Comentários Econômicos - 16/07/2014

Em anexo, apresentamos a 4ª Carta de Conjuntura do Setor de Seguros.

Essa versão também está disponível na internet.

Ver...

http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/cartaconjuntura4.pdf

No passado, era tradicional dizer que o segmento de seguros crescia, em média, 15% ao ano, bem acima das taxas inflacionárias.

Hoje, esse cenário mais favorável passou, com as previsões sofrendo ajustes mensalmente, e o segmento enfrentando uma nova realidade de mercado. Em 2014, a nova previsão de receita total do segmento passou para R$ 319 bilhões, o que levaria a uma variação de 8% com relação ao ano anterior. Esse comportamento se deve, sobretudo, aos produtos de acumulação (VGBL, por exemplo) e aos seguros de pessoas (prestamista, por exemplo, altamente dependente do volume de crédito ao consumidor).

Abaixo, a evolução das previsões, feitas ao longo de cada mês.

Valores em R$ bi

Estimativas para 2014 feitas em

Receita em 2014

Real 2013

mai/14

jun/14

jul/14

Seguros

83

92

90

90

VGBL+Previdência

74

86

77

73

Total de Seguros

157

178

167

163

Capitalização

21

25

24

24

Resseguro Local

5

5

5

5

Saúde Suplementar

113

124

127

127

Total dos Setores

296

332

323

319

Reservas em dez/14

dez/13

mai/14

jun/14

jul/14

Total

466

540

530

525

Lembramos que esse comportamento não é exclusivo do setor de seguros, sendo uma conseqüência direta da queda nas taxas de crescimento econômico do país. Abaixo, dois gráficos, com a evolução do cálculo de dois índices de confiança - da indústria (ICI) e das seguradoras (ICES). Pode-se observar a semelhança dos movimentos.

Ver outros artigos de Comentários Econômicos