Economia do Seguro

Francisco Galiza

Francisco Galiza

Mestre em Economia (FGV); membro da ANSP (Academia Nacional de Seguros e Previdência); autor do livro “Economia e Seguro – Uma Introdução” (3ª edição); coordenador da Revisão do Dicionário da Funenseg, em 2011; professor do MBA-Seguro e Resseguro (FUNENSEG); sócio da empresa Rating de Seguros Consultoria (www.ratingdeseguros.com.br).

Desafios para seguro de pessoas nos EUA

Comentários Econômicos - 11/01/2013

A publicação "LifeHealthPro" divulgou matéria interessante denominada "Life insurance: 5 things to expect in 2013".

Ou seja, os 5 desafios principais que o seguro de pessoas no Estados Unidos deve enfrentar em 2013.

É interessante acompanhar essa lista, até para fazer uma comparação com o mercado brasileiro, vendo o que pode ou não ser mais aplicado por aqui.

Ver...

http://www.lifehealthpro.com/2012/12/19/life-insurance-5-things-to-expect-in-2013

Em resumo, são.

Número

Desafios na área de seguro de pessoas - EUA

1

Pode haver o fim de alguns benefícios fiscais na área de seguro de pessoas, devido ao ajuste que aquela economia está sofrendo nessa área. Caso isso ocorra, como o segmento pode se adaptar a essa nova realidade tributária?

2

Redes sociais e maior mobilidade devem influenciar cada vez mais alguns aspectos da demanda pelo produto, com conseqüência também nos canais de distribuição. Como o mercado pode se adaptar a esse novo consumidor?

3

Estudo recente revelou que, em termos relativos, a demanda por seguro de pessoas nas economias mais desenvolvidas tem caído. Qual a estratégia de divulgação correta desse produto para voltar a estimular o segurado?

4

Oportunidades estão aparecendo em muitos países emergentes, até pelo surgimento de uma nova classe média nessas regiões. Qual é a estratégia correta de entrada nesse negócio promissor?

5

Intensificada pela crise bancária, o setor está (e estará) enfrentando uma nova realidade regulatória, com as empresas tendo que enfrentar um nível de capital mais elevado para poder operar. Como as seguradoras podem se adaptar a essa situação sem perda de rentabilidade?

Ver outros artigos de Comentários Econômicos