Denise Bueno
Denise Bueno

Jornalista especializada na indústria de seguros brasileira e internacional

Combate às Fraudes no DPVAT

Tecnologia ajuda em todo país 17 de Julho de 2019
Fonte: Seguradora Líder Nos últimos dias, as ações da 1ª Delegacia de Polícia de Goiânia/GO, que cumpriu mandados de busca e apreensão em clínicas acusadas de falsificar documentos para fraudar o Seguro DPVAT, reforçam os resultados da estratégia da Seguradora Líder no combate às fraudes ao benefício. Nos últimos anos, a companhia adotou uma postura proativa de encaminhamento de notícias crime aos órgãos competentes ao identificar irregularidades em pedidos de indenização. As investigações em Goiânia tiveram origem em notícias de crime da Seguradora Líder. As fraudes decorrem de adulteração de documentos médico-hospitalares (laudos médicos e tratamentos fisioterápicos), que seriam usados para dar entrada em pedidos dentro das coberturas previstas pelo Seguro DPVAT (morte; invalidez permanente; e reembolso de despesas médicas e suplementares) e envolvem, aproximadamente, a quantia de R$ 307.800,00. Em junho, o Ministério Público do Pará ofereceu uma série de denúncias contra pessoas que fariam parte de uma quadrilha especializada em fraudar o Seguro DPVAT. A Operação, nomeada de Redenção, teve início a partir de uma série de notícias crime da Seguradora Líder, que detectou fraudes em pedidos de indenização por invalidez permanente e morte. Médicos de duas clínicas da cidade de Redenção, no Pará, são acusados de emitir laudos falsos e responderão pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica e associação criminosa. Os acusados falsificaram documentos e comunicaram sinistros inexistentes pleiteando nove indenizações por invalidez permanente e uma por morte. A identificação das fraudes evitou perdas máximas de R$ 135 mil, que lesariam não só o Seguro DPVAT, como toda a sociedade brasileira. Outro destaque de 2019 foi a prisão, em Luziânia, município de Goiás, de uma empresária acusada de fraudar o Seguro DPVAT. A Operação “Parálysis” foi desencadeada após os policiais do Grupo de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Gepatri) de Luziânia constatarem que a suspeita falsificava documentos e montava processos de invalidez permanente, totalizando cerca de R$ 220 mil em indenizações. Segundo a polícia, a mulher possui uma empresa de eventos e usava os documentos de funcionários e familiares para dar entrada nos pedidos de indenização com boletins de ocorrência e outros documentos falsificados. De janeiro a junho deste ano, as iniciativas proativas da Seguradora Líder já resultaram em 20 sentenças condenatórias, 25 condenados, 24 cancelamentos, suspensões ou cassações de registros em órgãos de classe e 2 prisões em todo o Brasil. O uso de tecnologia tem sido o grande aliado neste trabalho. Todos os pedidos de indenização do Seguro DPVAT recebem monitoramento contínuo, sendo avaliados por softwares de inteligência artificial, que contêm ferramentas de filtros sistêmicos de ocorrências suspeitas. Os casos considerados merecedores de apuração mais detalhada são enviados, ainda, para uma equipe que investiga in locoa ocorrência. Quando a Seguradora Líder identifica uma irregularidade, uma notícia-crime é encaminhada aos órgãos competentes.