Denise Bueno

Denise Bueno

Jornalista especializada na indústria de seguros brasileira e internacional

Renovações de contratos de resseguro em janeiro se mostram ponderados


06/02/2018

O ciclo “soft” de subscrição de resseguro pode ter finalmente mudado, mas os aumentos de preços parecem modestos, afirma a Fitch Ratings em um relatório recente sobre as renovações deste início de ano. A agência, com base nos dados dos relatórios de diferentes brokers, prognosticava há algumas semanas, aumentos de preços nas taxas de cobertura de danos contra riscos catastróficos, o que seria o primeiro aumento desde 2013.

“No entanto, apesar das grandes perdas devido a catástrofes em 2017, os aumentos foram modestos e acreditamos que o crescimento do capital alternativo alterou a dinâmica do mercado de resseguro, tornando menos provável uma escassez de capacidade e um ciclo de subscrição potencialmente mais soft”, afirmou a agência.

Neste ponto, a Fitch ressalta que os investidores de Insurance-linked securities (ILS) já reabasteceram em grande medida a maior parte do capital consumido por perdas catastróficas do ano passado. “As perdas seguradas por catástrofes tiveram um impacto relativamente limitado no capital da maioria das resseguradoras, já que estavam bem distribuídos entre seguradoras, resseguradoras e mercados de capitais”, afirma a Fitch.

As renovações de janeiro mostram aumentos de dois dígitos em alguns programas de resseguro nos Estados Unidos afetados por perdas, mas os aumentos em outras áreas têm sido moderados. “Na Europa, 2017 foi um ano benigno para as catástrofes, por isso que, apesar das perdas nos Estados Unidos, as resseguradoras não puderam investir grande parte da redução de preços nos últimos anos”, informa a agência.

“Nossas perspectivas para o setor de resseguro permanecem negativas, refletindo a pressão contínua sobre os benefícios derivados dos preços competitivos, a posição do capital alternativo e os baixos retornos dos investimentos”, afirma a Fitch, que também chama a atenção, sobre a evolução dos índices combinados nas empresas do setor, “que vem se deteriorando de forma constante”.